Available actions

Reader available actions

Share
 

Comando do conde de Goltz (1801 - 1807).

Description details

Description level

Section Section

Reference code

PT/AHM/DIV/1/13

Parallel title

103287

Descriptive dates

1761 - 1874

Dimension and support

64 cx. com 1278 processos manuscritos.

Producer

Esta secção é composta por documentação de diversas proveniências, com destaque para o conde de Goltz, barão de Wiederhold, João de Almeida de Melo e Castro, ministro e secretário de Estado dos Negócios da Guerra, e D. Rodrigo de Sousa Coutinho, ministro da Fazenda e presidente do Erário Régio, e os governadores das armas e de praças militares.

Biography or history

Após morte do príncipe de Waldeck, tentou-se encontrar um novo general estrangeiro para comandar o exército em campanha, tendo a escolha recaído no general prussiano, conde de Goltz, por influência do visconde da Anadia, embaixador de Portugal na Prússia. Em 1801, a campanha da Guerra das Laranjas, acentuou a decadência do Exército Português, provocando a demissão do duque de Lafões, que foi substituído pelo conde de Goltz no comando em chefe do Exército, por carta régia da 23 de Julho de 1801. O conde de Goltz nomeou como seu imediato o conde de Viomenil, encarregando-o do governo de todas as tropas e armas e D. José Maria de Sousa Botelho, morgado de Mateus, comissário do regente D. João, ficou encarregado de dirigir a correspondência oficial e de observar o estado do Exército, apresentando posteriormente um plano de reorganização, tendo grande parte das suas ideias sido aproveitadas na promulgação de legislação entre 1801 e 1806. Após várias inspecções, o conde de Goltz apresentou um relatório sobre a situação do pessoal e material, a necessidade de reorganização militar e os meios necessários à defesa de Portugal. Expediu ordens para fazerem cumprir os regulamentos militares do conde de Lippe até à promulgação de novas ordenanças. Criticado por D. João de Melo e Castro, novo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, perdeu a confiança da corte portuguesa, o que levou à sua retirada voluntária de Portugal, em Junho de 1802, nunca mais tendo regressado ao reino, mas o seu contrato foi mantido pelos 6 anos estipulados em 1800.

Scope and content

Secção composta por documentação relativa ao recrutamento militar, abastecimentos das tropas, trabalhos de defesa do Reino incluíndo obras nas fortificações e assuntos de Artilharia, estabelecimento de hospitais militares, pagamentos às tropas pela Tesouraria Geral das Tropas e erário Régio, solípedes e remonta, movimentação de tropas francesas nas fronteiras, correspondência para o conde de Goltz, transportes, justiça, reorganização militar, deserções, segurança e ordem pública.

Arrangement

Esta colecção não se encontra organizada. Os documentos foram reunidos e colocados na secção por ordem sequencial de entrada no Arquivo Histórico Militar, segundo a organização do seu património documental em 1931.

Access restrictions

Os documentos originais são "reservados" pelo que a consulta só é feita através de cópia digital.

Language of the material

Contém documentos em francês.

Physical characteristics and technical requirements

Alguns documentos encontram-se em mau estado de conservação.

Alternative form available

Secção digitalizada.

Related material

Ver "Governo de D. Luís Pinto de Sousa e do duque de Lafões (1788 - 1801) (DIV/1/11), "Campanhas da Guerra das Laranjas (1801)" (DIV/1/12); "Campanhas da Guerra Peninsular (1807 - 1814)" (DIV/1/14) e "Organização" (DIV73/2).